BH: Maharaj

Não é uma tarefa fácil encontrar algum restaurante exótico em Belo Horizonte – e menos ainda encontrar um realmente bom.

Depois de algumas experiências frustradas com outros indianos em BH e de ouvirmos falar bem do Maharaj, fomos atrás do que tinha tudo para ser o indiano ideal. O restaurante fica no Consulado da Índia e a cozinha é comandada pelo chef indiano Virendra Singh, que veio para o Brasil justamente para assumir as panelas do restaurante.

A casa é grande, e a decoração típica te transporta imediatamente para a Índia. Tem até um inusitado tuc tuc no pátio externo! Na mesma área, há um telão, no qual ficam passando clipes de músicas indianas e eu juro que dava vontade de levantar e sair dançando, bem Bollywood, hahaha.

O atendimento foi bom e atencioso, não temos do que reclamar.

Image

Tentando não fugir do tema (e dos estereótipos), escolhemos uma cerveja de estilo India Pale Ale. A casa oferece a East India Pale Ale da cervejaria Brooklyn. Por ser bastante lupulada (amarga), combina com os fortes sabores que caracterizam a cozinha indiana. É uma cerveja aromática, com um toque floral. A carbonatação é elevada e a espuma de resistência mediana. Infelizmente, o restaurante não oferecia outras opções desse estilo.

Image

Entrada: Murg Samosa (R$21,00) – pastéis especiais indianos recheados com frango e temperados com masala.

O prato veio com quatro, mas estávamos com tanta fome, que atacamos direto e esquecemos da foto! rs A parte chata é que as samosas foram decepcionantes. A massa parecia daquelas de pastel industrializadas que a gente compra em supermercado, sabe? O recheio estava seco e sem graça, mal dava pra sentir o gosto das especiarias.

Image

Prato principal: Jhinga Masala (R$67,00) – camarão ao molho de curry com especiarias.

Para os pratos, há três opções de pimenta: leve, moderada e forte. Para o camarão, escolhemos a pimenta moderada, após uma advertência do garçom de que a forte poderia ser demais… Para quem não curte pimenta, a moderada já é bem forte; mas, para quem gosta, é tranquila.

O prato estava bastante gostoso, não tendo sido cozinhado excessivamente. Depois de dar a primeira mordida em um dos camarões (que vieram em boa quantidade), agradeci a Deus, Brahma, Vishnu e Shiva por não ter sentido a famigerada consistência borrachuda da carne. Sobre o molho, só posso dizer que realmente tinha curry, já que, de outras especiarias, não senti nem o mais leve gosto. Mas isso não comprometeu o sabor, afinal, coloco curry em quase tudo que cozinho.

Apesar de merecer elogios pelo camarão, o prato cometeu um pecado mortal no acompanhamento: o arroz veio frio. Honestamente, não consigo entender o porquê do arroz ser entregue frio quando servido separadadamente (como na foto acima). Deve ser uma convenção culinária que desconheço, já que isso acontece sempre que o bendito acompanhamento vem na sua própria vasilha.

Image

Image

Prato principal: Mutton Roghan Gosht (R$66,00) – exótico prato dos marajás com cortes de cordeiro ao molho de especiarias.

Para o cordeio, o pedido foi de pimenta leve, ideal para quem não gosta de comida apimentada. A carne e o arroz vieram em potes individuais, para serem servidos no prato. Na foto acima, estão servidos no prato apenas um pouco do arroz, mas toda a carne, ou seja, míseros cinco pedacinhos. Estava gostoso, mas deixou a desejar, sobretudo pelo preço cobrado x quantidade servida. Poderia comer, no mínimo, o dobro de carne do que foi servido… Não é um prato realmente exótico, e a única especiaria perceptível no molho era, mais uma vez, o curry. Aliás, os molhos pareciam idênticos, diferenciando-se apenas pela quantidade de pimenta.

Image

Sobremesa: Kulfi (R$13,00) – sorvete exótico de manga preparado à moda indiana.

Devo confessar que não sou um grande fã de manga. Não que eu deteste a fruta, mas simplesmente a acho sem graça. No entanto, ao ler a descrição da sobremesa, fui tomado por uma vontade súbita de tomar sorvete de manga. Não sei se foi a promessa do estilo indiano ou o calor daquela noite belo-horizontina ou até mesmo o adjetivo “exótico” que prometia uma experiência diferente depois de um tedioso dia de trabalho. Para a minha frustração, todavia, recebi um sorvete recheado de cristais de gelo e coberto pelo mesmo misto de coberturas usadas por aquele tio da esquina que vende 3 bolas de sorvete por R$ 1,50. A sensação foi a de alguém havia esquecido um pote de sorvete Kibon na geladeira por duas semanas e, para mascarar o desleixo, despejou a mais açucarada das coberturas por cima.

Ah, sobre o sabor, o sorvete realmente tinha gosto de manga. Mas, como disse, manga é muito sem graça.

Image

Sobremesa: Gulab Jamun com sorvete (R$16,00) – bolinhas de leite em calda com essência de rosas, decoradas com amêndoas.

Sobremesa deliciosa e perfeita, doce sem ser enjoativa. A essência de rosas dá o toque especial e o contraste das bolinhas de leite quente com o sorvete é ótimo. De tudo o que comemos, é a única coisa que me faria voltar lá…

Enfim, o Maharaj é bom, mas não vale o que cobra. Talvez teríamos gostado mais se tivéssemos ido com as expectativas um pouco mais baixas…

Maharaj – Rua Paraíba, 523, Funcionários – (31) 3055.3836.

Anúncios

Uma resposta em “BH: Maharaj

  1. Pingback: BH: Buffet Bhagwan | COZIDO MISTO

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s